segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Um corpo na biblioteca (Agatha Christie)

 ISBN: 9778-85-254-3129-5
Título Original: The Body in the Library
Tradução: Petrucia Finkler
Cidade/editora: Porto Alegre, RS/L&PM
Ano de Publicação: 2015
Páginas: 224
Submarino - Skoob

Não era sonho. Na verdade, mais parecia um pesadelo: o corpo de uma bela e desconhecida jovem jazia na biblioteca da família Bantry. Com o caos instaurado em sua casa, Dolly Bantry só conseguia pensar em uma pessoa para lhe ajudar: Miss Marple. Conhecida por desvendar os mais curiosos acontecimentos na pacata St. Mary Mead, a adorável velhinha percebe desde o início que há alguma coisa errada naquela biblioteca.
Em uma manhã de um dia que era para ser normal, a Sra. Bantry acorda com a empregada gritando que tinha um corpo de uma jovem na biblioteca. De início achou que havia sonhado, mas depois de ver com seus próprios olhos uma linda jovem de cabelos platinados e vestido de festa, morta estrangulada no tapete ao lado da lareira, na biblioteca do seu marido, achou que era uma ótima oportunidade para atuar como detetive amadora, e não demorou em ligar para sua amiga Miss Marple, a quem se referia como profissional nesses casos de cadáveres.
Por sua vez, o Sr. Bantry se comportou totalmente diferente de sua esposa, que planejava passar uns dias em um hotel para mudar de ares e lógico, investigar, ele passou a ficar quieto em sua fazenda e fingir que não notava as pessoas se esquivando dele. Em uma cidade pequena, as notícias não demoravam em rodar a aldeia, chegando aos moradores um pouco (ou muit0) diferentes da realidade, gerando desconfiança em relação ao Sr. Bantry.
Foi motivada a isso (e também ao instinto rs) que Miss Marple se esforçou para não deixar o crime, que parecia ser impossível de chegar ao assassino, ir parar nas gavetas sem nunca ser resolvido. Claro que outras pessoas também cooperaram com as investigações, mas o método dedutivo da Jane é sem dúvidas, incrível.
Um corpo na biblioteca é daqueles livros improváveis, desde o início nem os personagens acreditavam que tinha o corpo de uma moça dentro da biblioteca, e talvez pelo fato de ser tão improvável foi o que chamou atenção da querida Miss Marple, algo tinha saído errado.

“A biblioteca em questão deveria ser muitíssimo convencional e ortodoxa. O corpo, por outro lado, deveria ser de uma improbabilidade extrema e bastante sensacional.”
(Agatha Christie)

Me contem o que acharam da resenha!
Beijinhos <3

terça-feira, 15 de novembro de 2016

O que eu ando fazendo...

Este mês o tema do projeto #UmaFotoUmaHistória em parceria com o blog Garotas sem Controle, é livre! Então escolhi fazer um post sobre o que eu ando fazendo neste tempo que não estou atualizando o blog. Antes só queria dizer o quanto estava com saudades <3 E mesmo que estou um pouco distante ultimamente, não significa que eu não esteja acompanhando vocês! E tem outra coisinha que me deixou feliz, o número de visualizações do blog cresceu! E fiquei tão feliz que estou pensando em fazer algo muito legal, que obviamente, é surpresa hahaha.

Fazendo: Estou trabalhando muito para as últimas intervenções no meu estágio, finalizando os trabalhos deste semestre que parece que não acaba nunca, editando as fotos dos dois ensaios fotográficos que fiz (e espero fazer mais) e colocando meu quarto em ordem porque não suporto ver ele bagunçado.

Animada: Para o desfile do TCC de modelagem de vestuário da minha irmã que será no dia 24 deste mês.

Planejando: Os trabalhos que posso adiantar nas férias, pois já prevejo que o ano que vem será corrido em dobro (ou triplo).

Lendo: Várias coisas ao mesmo tempo! Artigos para finalizar meus relatórios (de estágio, projeto de iniciação científica e projeto integrado). O Tempo e o Cão da Maria Rita Kehl (ainda estou no comecinho) e Eldest (ainda).

Assistindo: Filmes e documentários que meus professores me indicaram e filmes que a maioria das pessoas já assistiram e eu não :( Os últimos foram: Efeito Borboleta, O incrível caso de Benjamin Button, Perfume, a história de um assassino e Colcha de Retalhos.

Decidindo: Se compro outro notebook ou não. Toda vez que vou usar o meu, penso: preciso comprar! Mas depois fico pensando se realmente é necessário gastar hahaha Me ajudem (também aceito sugestão de marcas)!!!

Descobrindo: Que para incluir novos hábitos em sua vida o começo é o mais difícil (muito mesmo!), porém depois se torna rotina.

Apaixonada: Por psicologia (podem ver que só falei praticamente sobre isso no post, e não era a intenção!).

Feliz: com o que consegui até agora, e mesmo que o ano não tenha saído como eu gostaria, realizei alguns sonhos muito importantes para mim, também fiz várias coisas pela primeira vez e gostei muito da experiência.

Ansiosa: Para a apresentação do meu estágio! É tão incrível ver um projeto chegando ao fim.

Quero: Comprar logo os materiais escolares para o ano que vem, porém desta vez serei mais minimalista que o ano passado. E desta vez estou pretendendo comprar um quadro de cortiça para utilizá-lo como painel de inspiração.

Desejo: Ler pelo menos metade da minha lista gigante de livros que era para eu ter lido esse ano. Estou decepcionada comigo mesma, e quero muito tirar o atraso.
Sonhando: Com as férias! Quem mais?

Agora quero saber o que vocês andam fazendo.
Deixe ai nos comentários!

Beijinhos, até logo (prometo) <3

sábado, 15 de outubro de 2016

Uma Foto Uma História: A arte de aprender

              É uma pena a nossa cultura não valoriza tanto aqueles responsáveis pela nossa aprendizagem de inúmeras coisas, que desde pequenos passamos um bom período de nossa vida com eles, que ensinou o alfabeto, a tabuada, que o mundo é redondo e gira em torno do sol. Como vocês já devem ter percebido, estou falando dos professores.
        Todos nós temos um (a) professor (a) que nos serviu ou serve de inspiração, aquele que lembramos e temos saudades. Eu tive uma na minha terceira série, todas as aulas eu deixava recadinhos para ela escritos no meu caderno, enviava cartinhas (que até hoje ela guarda). Depois no ensino fundamental, minha professora de português, uma senhora maravilhosa, todas as aulas me elogiava! Teve também a professora de geografia, ela era mais séria e no canto dela, mas isso não me impedia de admirá-la. No ensino médio teve o professor de matemática, no final do ano me deu uma caixinha maravilhosa cheia de bombons!
            E não pense que parou por ai... Entrei na faculdade, e lógico que a relação entre professores e alunos muda, agora eles servem como modelos, existem professores que admiro muito, e fico pensando se um dia eu serei como eles.
            Você não acha que uma pessoa que dedica sua vida estudando para nos ensinar merecia mais valor do que possui? Sabemos que aprender não é tão fácil, é um processo difícil, que exige esforço de nossa parte, mas o que seríamos de nós sem esses seres maravilhosos que nos acompanham e auxiliam nesse caminho de busca do conhecimento? Depois de escrever o texto até aqui, fiquei pensando se o título correto não seria: “A arte de ensinar”.
            Deixo essa reflexão para vocês, e não esperem que o mundo mude essa visão magicamente, comece por você mesmo! Ah, deixe um comentário sobre o que vocês pensam sobre isso, iria gostar muito de ler sua opinião.

Este texto faz parte do projeto #umafotoumahistória, em parceria com o blog Garotas SemControle. Se quiser saber mais sobre o projeto, clique aqui.

Beijinhos <3

Até logo!

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Uma coisa que sempre quis fazer, mas nunca fiz

Mais uma vez atrasando no dia de postar (sorry!), por motivos de estágio/faculdade. No texto de hoje, irei contar para vocês, um dos meus maiores sonhos, algo que eu gostaria MUITO de fazer, porém ainda não fiz, como já diz no título.
Na minha infância, e uma parte da adolescência sempre fui uma pessoa muito medrosa, isso incluía o medo de altura, então pensar visitar lugares altos não acontecia! Mas um dia, que eu não me lembro qual, só sei que já faz certo tempo, surgiu à vontade de escalar o Monte Fuji, isso mesmo, aquele vulcão adormecido que se encontra no Japão.
A partir de então, passei a sonhar com isso, pesquisar relatos de pessoas que já haviam ido, salvar fotos, e todas as coisas que fazemos quando queremos muito uma coisa. Não são todas as pessoas que me conhecem que sabe sobre isso, até porque às vezes eu fico pensando se um dia irei de fato ver o nascer do sol, ou se pôr, do topo do Monte <3
Na verdade, sempre quis conhecer o Japão, pois sou descendente e acho uma cultura muito interessante, mas não tenho vontade de morar lá (hahaha).

O texto faz parte do projeto #umafotoumahistoria, com parceria do blog Garotas sem Controle, não deixem de ver o texto delas! A foto foi escolha, também, pelo fato deste mês maravilhoso ser início da primavera. Para saber mais sobre o projeto, clique aqui.

Ah, comentem o que vocês queriam fazer, mas ainda não fez! Quero muito saber!


Beijinhos, até logo <3
Pin It button on image hover